Rede Brasileira do Pacto Global promove consulta pública sobre Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura

Do campo à mesa dos consumidores, a indústria do agronegócio pode assumir um papel fundamental no compromisso com a sociedade para o desenvolvimento sustentável e a segurança alimentar. Na busca por contribuir com o direcionamento deste setor, que é um dos principais vetores para um futuro construído em bases mais justas, a Rede Brasileira do Pacto Global realizou uma consulta pública no dia 11 de março, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com a participação de 60 representantes de empresas, sindicatos e Organizações Não-Governamentais comprometidas com o tema.

No encontro, os participantes contribuíram com sugestões relacionadas ao conteúdo da versão preliminar dos Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura (PEAA), uma das diversas iniciativas setoriais do Pacto Global. O documento, que já foi avaliado por nove países na primeira rodada da consulta pública, realizada de setembro a novembro de 2013, conta com seis diretrizes para promover uma produção agrícola sustentável. São elas a promoção da segurança alimentar, saúde e nutrição; ser ambientalmente responsável; garantir viabilidade econômica e compartilhar valores; respeitar os direitos humanos; incentivar a boa governança e responsabilidade e aprimorar o acesso e a transferência de conhecimento, habilidades e tecnologia.

Na abertura do evento, o presidente da Rede Brasileira do Pacto Global, Jorge Soto, destacou que Alimentos e Agricultura são alguns dos temas prioritários definidos por pesquisa do Pacto Global de 2012, realizada com mais de 1700 empresas em 100 países para a definição da Agenda Pós 2015. “Pela representatividade do setor do Agronegócio no Brasil, aliada ao impacto que ele desempenha no processo de desenvolvimento mundial, precisamos mobilizar as empresas brasileiras a atuarem com responsabilidade e assim fazer a nossa parte na promoção de uma lógica menos agressiva na produção de alimentos e mais inclusiva no seu consumo”, disse.

Renata Seabra, Secretária Executiva da Rede Brasileira do Pacto Global, reforça a importância que a temática está ganhando entre as quase 600 empresas que compõem o grupo de signatários no Brasil atualmente. “Para este ano criamos o Grupo Temático de Agricultura Sustentável, que será liderado pelo Grupo André Maggi. Além de atuar na disseminação e implementação dos PEEA, o GT desenvolverá projetos e parcerias na área, aliando a plataforma internacional das Nações Unidas com ações de caráter local”.

Segundo a gerente do Pacto Global das Nações Unidas em Nova York, Adrienne Gardaz, esta é a segunda e última rodada de consultas promovidas pelas Redes Locais do Pacto Global e o documento final deve ser lançado oficialmente em setembro, durante a 69ª. Assembleia Geral da ONU. Ainda serão realizadas consultas nos Estados Unidos, Turquia, Reino Unido e outros países.

Contribuições do Brasil

O ex-ministro Roberto Rodrigues, membro do Conselho Superior de Agronegócio da Fiesp, propôs alterações na redação do documento. Ele sugeriu que a liberação dos mercados esteja presente no relatório com um dos objetivos.  “O único mecanismo justo seria liberar o mercado para todo mundo”, afirmou.

Rodrigues também pediu mais clareza no que se refere ao pequeno produtor, citado em todos os seis itens que devem compor o documento. “O que é pequeno produtor? Qual o conceito que vamos ter universalmente sobre o pequeno produtor? Por tamanho? Por faturamento?”, questionou. Embora tenha reconhecido que a questão é importante, Isabella Vitalli, representante para a América Latina da Proforest, responsável pela mediação da consulta, afirmou que é difícil padronizar esse entendimento de maneira global.

O diretor do Departamento de Meio Ambiente da Fiesp, Nelson Pereira dos Reis, também participou da consulta. Segundo ele, o evento ofereceu uma oportunidade para avaliar todas as implicações da agricultura na economia e na sociedade. “Acho até que demorou um pouco para o tema da agricultura chegar a uma discussão mais detalhada e aberta dentro do Pacto Global”, disse ele.

O head de Responsabilidade Socioambiental do Rabobank, Luiz Fernando do Amaral, sugeriu uma atualização da abordagem do tema e uma simplificação da linguagem. Amaral afirmou ainda que o primeiro passo para aplicação desses princípios é que eles sejam incorporados na missão e nos valores das corporações. “Isso é algo que a gente negligencia”, alertou.

Para ele, outro ponto de atenção é “definir e esclarecer para que serve esse documento e principalmente para o que não serve. É muito importante alinhar as expectativas”. “Um relatório, para ser inovador, tem que ser simples o suficiente, sistematizado para diferentes tipos de consultas, automatizado, mas também flexível”, sugeriu.

Com informações de Alice Assunção, da Agência Indusnet Fiesp

28 empresas globais assumem compromisso público contra mudanças no clima
Setor privado brasileiro apresenta desafios de sustentabilidade nacionais na sede da ONU
Mensagem da presidente do Board da Rede Brasil
Campanha da Rede Brasil quer que mais empresas atuem alinhadas aos ODS
Fórum WEPs
Fórum Regional sobre Empresas e Direitos Humanos
CEO Roundtable - Working with refugees
ODS 3 e 4 powered by Nestlé
Confira agenda de eventos da Rede Brasil do Pacto Global
United Nations Forum on Business and Human Rights
World Toilet Summit
Semana do Clima da América Latina e Caribe 2019 (LACCW)