Dia Mundial da Água 2019: “Não deixar ninguém para trás”

O Brasil possui 12% do volume total de água doce do planeta, mais do que qualquer outro país. Isso cria uma falsa premissa de que o suprimento do recurso em boa qualidade está acessível a todos os brasileiros. Embora haja abundância de água doce no Brasil, se comparado a outros países, existe uma grande variedade de riscos e uma grande incerteza em relação a sua disponibilidade. Nesse Dia Mundial da Água (22), a Rede Brasil do Pacto Global elenca as responsabilidades do setor privado na promoção de uma gestão hídrica eficiente, além de alertar sobre os múltiplos efeitos causados sobre o meio ambiente e economia, quando o tema é negligenciado. 

No geral, o Brasil tem avançado  de forma lenta nas últimas décadas quando se trata da evolução do acesso a água ou ao saneamento no país. Há 12 anos, a Lei do Saneamento Básico entrou em vigor no Brasil e, ainda hoje, quase metade da população do país continua sem acesso a sistemas de esgotamento sanitário. Segundo o estudo Burocracia e Entraves no Setor de Saneamento, produzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil apenas conseguirá universalizar o atendimento de água em 2043, e de esgoto, em 2054 caso mantenha o ritmo atual de investimentos. 

 

Setor Privado em ação

 

Nem sempre os governos sozinhos podem assumir toda a responsabilidade e frequentemente não possuem recursos técnicos e financeiros suficientes disponíveis para contribuir na melhoria do acesso à água e saneamento no país. Isso gera uma grande oportunidade para que o setor privado desempenhe um papel fundamental no fornecimento de serviços de abastecimento de água e saneamento. Enquanto governos e agências de água devem focar em estabelecer políticas e regulamentos, o setor privado pode contribuir por meio do desenvolvimento de  ações e atitudes sustentáveis em suas práticas de negócios.

 

A iniciativa privada pode endereçar desafios hídricos ao desenvolver soluções e tecnologias inovadoras, além de influenciar a sociedade e gerar uma mudança de comportamento dos seus consumidores e fornecedores. Além disso, o setor privado têm forte poder de negociação e influência sobre a formulação de políticas. Empresas signatárias da Rede Brasil do Pacto Global têm se destacado no debate e promoção de ações e iniciativas relacionadas ao tema da água no Grupo Temático Água. As empresas se reúnem periodicamente para discutir e propor uma agenda de governança com o objetivo de engajar o setor privado na adoção de práticas sustentáveis em suas operações e em suas cadeias de abastecimento para promover o uso eficiente do insumo. Sendo assim, atua totalmente em consonância com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6.

 

Segundo o estudo “Perdas de Água 2018, encomendado pelo Movimento Menos Perda Mais Água e realizado pelo Instituto Trata Brasil em parceria com a GO associados, estima-se que cerca de 35 milhões de cidadãos no Brasil não têm acesso a água potável e 100 milhões não possuem saneamento adequado. Nesse contexto, as empresas podem desempenhar um papel fundamental para apoiar a mudança deste cenário ao investir em tecnologias e soluções inovadoras para a gestão da água dentro das suas operações e em sua cadeia de valor. 

 

 

Mulheres jovens e negras

 

A falta de acesso à água e ao saneamento afeta a vida das mulheres (ODS 5), reforçando a desigualdade de gênero no Brasil. Os impactos da falta de saneamento causam discriminação, exclusão, marginalização e violência contra todas as mulheres e meninas. O estudo Saneamento e a Vida da Mulher Brasileira, lançado pela BRK Ambiental em parceria com o Instituto Trata Brasil e a Rede Brasil, aponta que uma em cada quatro mulheres não tem acesso adequado à água tratada, coleta e tratamento dos esgotos. A universalização dos serviços tiraria imediatamente 630 mil mulheres da pobreza, a maior parte delas negras e jovens. No país, 27 milhões de mulheres – uma em cada quatro – não têm acesso adequado a infraestrutura sanitária, fator que gera graves impactos na vida das mulheres, uma vez que o saneamento é variável determinante em saúde, educação, renda e bem-estar dessas mulheres.

A melhoria no acesso a água e ao saneamento está entre os principais obstáculos para a realização dos direitos humanos, assim como para o alcance dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030.

 

 
 
 

 

Empoderando Refugiadas encerra série de workshops em SP com o tema educação financeira
Guia Exame de Sustentabilidade reconhece 47 empresas da Rede Brasil
Confira a programação da Rede Brasil no World Toilet Summit
Refugiadas participam de workshop sobre redes sociais e empreendedorismo
Líder com Impacto e CEO deixa recado sobre a campanha #AceitaEstaCaneta
Rede Brasil participa da Conferência Brasileira de Mudança do Clima
Refugiadas compartilham experiências sobre empreendedorismo em São Paulo
Mulheres refugiadas são treinadas em leis trabalhistas e canais de denúncia de violência de gênero em SP
#AceitaEstaCaneta: saiba como participar da campanha pelo clima da Rede Brasil
Rede Brasil lança workshops de integração dos ODS no setor elétrico
Treinamento Avaliação em Riscos de Corrupção (São Paulo)
Pacto Global prepara ferramenta para ajudar empresas a medir seus impactos nos ODS