SDG Business Forum pede negócios sustentáveis e aceleração do desenvolvimento
23 Julho 2018 - 17:33, by , in Sem categoria, No comments

NAÇÕES UNIDAS, Nova York, 17 de julho de 2018 – Entusiasmo, energia renovada e uma abordagem positiva foram as principais características dos líderes de empresas, governos, sociedade civil e das Nações Unidas que se reuniram no terceiro SDG Business Forum  para estabelecer uma nova direção para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

O evento integrou a agenda do High-Level Political Forum (HLPF) das Nações Unidas, em Nova York – o encontro anual para revisar o progresso e orientar os esforços globais para a Agenda 2030. Realizado pela International Chamber of Commerce (ICC), pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UN DESA) e pelo Pacto Global da ONU, o SDG Business Forum 2018 reuniu um grupo diversificado de stakeholders, atingindo quase 600 participantes.

Em seu discurso principal, Amina J. Mohammed, vice-secretária-geral das Nações Unidas, incentivou empresas de todos os lugares a se comprometerem. “Como um primeiro passo fundamental em suas jornadas de sustentabilidade, precisamos que as empresas garantam que estão fazendo negócios de forma responsável, em alinhamento aos valores da ONU e aos Dez Princípios do Pacto Global. Um compromisso internacional de fazer negócios com responsabilidade é uma das contribuições mais poderosas que as empresas podem fazer para a Agenda 2030 ”, disse ela, acrescentando que os jovens líderes empresariais devem continuar a serem disruptivos.

“Eu vejo um progresso encorajador, onde os Estados Membros estão mostrando uma forte apropriação para garantir uma globalização inclusiva”, acrescentou ela.

Amina J. Mohammed durante seu discurso de abertura./ Foto: UN Global Compact

Lise Kingo, CEO e diretora-executiva do Pacto Global, enviou uma forte mensagem aos líderes de negócios para medir seu progresso. “Estamos há 1.000 dias na rota para 2030. Chegamos a um momento em que precisamos administrar e definir a direção. Agora é a hora de ficar sério e começar a medir os avanços”, disse ela em seu discurso de abertura.

Os comentários de Kingo são de que muitos parceiros, tanto do setor privado quanto do público, bem como da sociedade civil, expressaram preocupação com o prazo de 2030 que se aproxima rapidamente. Embora muitas das maiores empresas do mundo estejam cada vez mais engajadas com a Agenda 2030, restando apenas 12 anos para alcançar os Objetivos Globais, o benefício potencial de uma massa significativa de pequenas e médias companhias (PMEs) assumir a responsabilidade de contribuir com as metas globais nunca foi tão óbvio.

Lise Kingo expressou urgência de ações em torno da Agenda 2030;/ Foto: UN Global Compact

 

Esta mensagem foi ressaltada por John W.H. Denton, secretário-geral do ICC. “Três anos nessa jornada, precisamos de uma verificação da realidade. Se continuarmos no caminho atual, não alcançaremos o alvo. Mais do mesmo não nos levará até lá. Temos de encontrar uma maneira de ampliar o engajamento corporativo em uma situação em que 60% das empresas em todo o mundo não estão envolvidas ”, disse Denton a uma câmara lotada do ECOSOC, que incluía aproximadamente 170 executivos de empresas em todo o mundo.

John Denton destaca que ainda é preciso engajar mais organizações./ Foto: UN Global Compact

O subsecretário-geral da UN DESA, Liu Zhenmin, comentou: “Muitos CEOs estão se juntando a nós hoje. É hora de discutir como acelerar e como promover soluções. Você (CEO) está na linha de frente e soluções sustentáveis ​​são essenciais para sobreviver a longo prazo. Você é crítico para a mudança e para criar uma plataforma de stakeholders a nível nacional ”.

Durante o Fórum, os participantes discutiram uma ampla variedade de novas ferramentas para orientar a comunidade empresarial global ao longo das melhores práticas, independentemente do tamanho, setor ou região.

Amy Jadesimi, diretora-executiva da Ladol no Laos, afirmou que as empresas sustentáveis ​​superarão as não-sustentáveis ​​ao longo do tempo, especialmente se os investimentos estão sendo feitos em empresas locais, por exemplo, na África. “Esses mercados são movidos por incentivos”, disse Jadesimi. “É um caso de negócio puro e foi feito. É apenas uma questão sobre quem são os primeiros impulsionadores e quanto tempo leva para o resto do mercado se recuperar. ”

Recebendo os participantes de alto nível para um working lunch, o presidente da Assembleia Geral da ONU, H.E. Miroslav Lajčák, destacou como as empresas são cruciais para a realização dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. “Os ODS precisam das empresas, mas elas também precisam dos ODS. A Agenda 2030 é um tesouro de oportunidades de negócios. Os consumidores também estão prestando atenção. Então, não pode haver negócios sem sustentabilidade. Se continuarmos do jeito que estamos, veremos mudanças drásticas – e não para melhor. Isso afetará as pessoas e o planeta, e as empresas precisarão disso para prosperar ”, disse Lajčák.

O  SDG Business Forum 2018 teve um número recorde de participantes, que aumentou significativamente desde o seu lançamento em 2015. O crescente interesse no papel do setor privado é um reflexo da urgência da Agenda 2030, e um forte apelo pelas empresas de todos os tamanhos se envolverem.

Deixe uma resposta