Notícias



Eventos da Rede Brasileira do

Pacto Global

Please enable Javascript to view this calendar.

As refugiadas também receberam orientações sobre a garantia de proteção jurídica no Brasil
Imagem: Ricardo Jayme

Refugiadas são capacitadas para o mercado de trabalho em São Paulo

Publicado em 6 de novembro de 2015

Por Luiza Bodenmüller, da Caritas*

Certo dia, a refugiada congolesa Anne chegou na sua casa em São Paulo e prometeu que dali em diante tudo seria diferente. Ela havia deixado para trás uma carreira de modelo no seu país de origem e, para cuidar dos cinco filhos no Brasil, percebeu que sair de casa era uma questão de sobrevivência – dela e da família. 

Vivendo como refugiada há sete anos no Brasil, Anne bateu em várias portas até, finalmente, encontrar um emprego. Hoje, trabalha como doceira numa pequena loja de bolos. Mas com um salário insuficiente e com o marido desempregado, Anne quer mais. E no esforço de melhorar sua vida e da sua família, foi confrontada por uma realidade ainda mais complexa para lidar.

“Quer dizer que agora você acha que é homem? Só quer trabalhar e sair. Quem vai cuidar das crianças? Eu é que não vou”. Foi isso que ela ouviu do marido quando decidiu buscar por um emprego que oferecesse um salário maior e, consequentemente, exigiria maior dedicação. Contrariado, o companheiro passou a agredir Anne verbalmente e, segundo ela, também a agrediu fisicamente. “Mas foi só uma vez”, garante.

Anne compartilhou esta história num grupo de cerca de 20 mulheres, todas refugiadas, que participaram, no dia 4 de novembro, em São Paulo, da atividade “Empoderando Mulheres”, articulada entre o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), a Rede Brasileira do Pacto Global – com iniciativa do Grupo Temático de Direitos Humanos e Trabalho –, a ONU Mulheres, a Caritas, o Programa de Apoio para a Recolocação dos Refugiados (PARR) e a consultoria em recursos humanos Fox Time. Elas são provenientes de Angola, Nigéria, Camarões, República Democrática do Congo e Burundi, na África, Colômbia, na América Latina, e Síria, no Oriente Médio. O objetivo do encontro foi discutir questões ligadas à igualdade de gênero e inserção de mulheres no mercado de trabalho. Durante o encontro, também foram discutidas formas de abordar os casos de violência contra a mulher.

A representante da ONU Mulheres, Adriana Carvalho, mostrou a disparidade salarial entre homens e mulheres e, ainda mais, entre brancos e negros. Enquanto um homem branco no Brasil tem um salário médio de R$ 2.262,30, uma mulher da mesma cor recebe, em média, R$ 1.517,70. Entre os negros, os homens recebem R$ 1.256,90, e as mulheres, R$ 876,40. Ao ouvir isso, a refugiada angolana Sylvie protestou: “Isso é um absurdo. O problema é a injustiça. A diferença de salário não deveria ser ligado à cor. Negro trabalha muito mais e ganha pouco”.

Para Adriana Carvalho, a diferença salarial pode ser atribuída a uma série de fatores e ainda se agrava no caso das refugiadas: “O fato de ser refugiada já é um status complicado. Em geral, as pessoas já olham com preconceito por que não entendem. E quando junta a questão racial e de gênero, fica ainda mais complicado”. Para ela, fornecer informações precisas sobre direitos trabalhistas e difundir o tema da igualdade de gênero é o melhor caminho para provocar transformações sociais.

Integração
Ainda sobre a questão do trabalho, a gerente de Desenvolvimento Organizacional da Fox Time, Danielle Pieroni, ressalta a importância do acompanhamento contínuo da integração das refugiadas ao local de trabalho, pois isso ajudaria a “prevenir que elas sejam enganadas”. Para ela, o país “passa por um momento econômico onde o trabalho informal é crescente, e é justamente esta categoria de trabalho que apresenta o maior número de queixas trabalhistas”, explica.

Uma forma de evitar ilegalidades, segundo Danielle, é promover a sensibilização das empresas para a temática do refúgio. “É preciso estimular as adaptações necessárias e também sensibilizar as equipes de recursos humanos para que a empresa esteja pronta a integrar um funcionário refugiado e, assim, evitar que esta pessoa sofra com bullying ou preconceito”, conclui.

Proteção jurídica
Durante o encontro, a promotora de Justiça Maria Gabriela Prado Manssur, coordenadora do Núcleo de Combate à Violência contra a Mulher do Ministério Público do Estado de São Paulo, abordou aspectos de proteção contra a violência de gênero, como a Lei Maria da Penha. “As refugiadas precisam entender que, uma vez estando no Brasil, tanto ela quanto o agressor estão sujeitos às leis brasileiras. Mesmo que elas venham de um contexto cultural onde a mulher era tratada como submissa ou que a violência física seja tolerada como algo ‘normal’, é importante que elas percebam que nenhum tipo de violência é ‘normal’ e, portanto, é uma situação que precisa ser combatida”, esclarece.

Para a promotora, a criação de uma rede de proteção possibilita que as mulheres se sintam seguras para fazer denúncias: “É por meio da conscientização e do empoderamento que estas mulheres vão conseguir romper o silêncio e impedir a perpetuação do ciclo de violência”, ressalta Maria Gabriela.

Depois de ouvir um dia inteiro de conversas e informações, Anne disse que, mais uma vez, quer mudar de vida. Ela vai procurar ajuda para aprender a lidar com as pressões do marido e, timidamente, começa a vislumbrar um futuro onde seja a responsável pelo sustento de seus cinco filhos, sem se sujeitar às vontades do companheiro. Sentiu-se empoderada e dona de suas próprias escolhas.

 

*Reportagem extraída do site do ACNUR

 


Tag's: Acnur ONU Mulheres Caritas PARR